Organização do boxe profissional

Como o boxe profissional gira em torno do dinheiro das bolsas e apostas, é natural que grupos de pessoas se associem procurando ter autoridade para proclamar campeões e ditar as regras das lutas.

Nos últimos cem anos, desde que o boxe profissional passou a ser um negócio milionário, o número dessas associações só tem aumentado. Isso tem provocado uma crescente proliferação de campeões, muitas divergências e confusões em torno das regras das lutas, bem como uma grande variação no que toca à preservação da integridade física e outros direitos profissionais dos boxeadores a elas filiados.

Assim que o propósito desta página é focar essa situação desde um ponto de vista histórico, procurando esclarecer o que há de importante e sólido nisso tudo.


Origem dos títulos de campeão de boxe profissional

Em 1719, já nos últimos anos do pugilismo vale-tudo, o inglês James Figg se auto-proclamou campeão e passou a aceitar desafios de todo lutador que desejasse tirar-lhe esse título. Em respeito à fama de Figg, esse costume passou a ser seguido pelos campeões que o sucederam, embora o pugilismo naquela época não tivesse regras escritas.

A Era das Regras de Broughton: 1743-1838

As primeiras regras escritas do boxe foram feitas em 1743 por Jack Broughton, um dos campeões que sucederam Figg. Essas regras deram início ao verdadeiro boxe inglês sem luvas, já que com elas passou-se a lutar em ringues, tinha-se rounds e respeitava-se adversário caído. Embora não fosse questão abordada nessas regras, continuava-se com a tradição de respeitar o campeão na linha de sucessão de Figg.

Essa prática tinha, contudo, no mínimo um lado ruim: ficava totalmente a critério do campeão decidir se aceitava ou não um desafio.

Os campeões na Era das Regras de Londres: 1838-1867

Desde o início do século XIX, e principalmente a partir do governo da Rainha Victória, em 1837, o puritanismo inglês passou a pressior o boxe inglês para a ilegalidade. Em ordem a sobreviver, os fancy ( como na época eram chamados os aficionados e praticantes do boxe ) fizeram várias concessões, concretizadas pela introdução das London Prize Ring Rules ( Regras de Londres ) em 1838. Essas regras eram um aperfeiçoamento das Regras de Broughton e se constituíram num muito importante passo na humanização do boxe, embora ainda se lutasse sem luvas.

As Regras de Londres continuaram a linha de sucessão de campeõoes que vinha desde Figg. Também continuaram com o costume de não se exigir que o campeão fosse obrigado a aceitar qualquer desafio ao seu título.

Apesar dos fancy terem feito novas concessões, reformulando as Regras de Londres em 1853 e 1866, inclusive introduzindo categorias de peso outras que a dos peso pesados, o boxe sem luvas passou a ser tão perseguido pela polícia que a maioria dos boxeadores profissionais ingleses preferiu ir atuar nos USA.

As Regras do Marquês de Queensberry: 1867

No final do século XIX, o boxe amador estava bastante difundido na Inglaterra, fazendo inclusive parte dos estudos obrigatórios nas escolas mais tradicionais inglesas. Por exemplo, na época, era famoso o torneio anual de boxe amador entre os alunos de Oxford e Cambridge, as duas mais tradicionais e importantes universidades da Inglaterra.

Como as Regras de Londres eram apropriadas apenas para boxe sem luvas, John Graham Chambers, proprietário de uma academia de boxe amador em Londres, escreveu um detalhado conjunto de regras para boxe com luvas e para prática por amadores. Como tal, introduziu rounds com a duração fixa de três minutos, lutas com duração limitada de rounds e outras medidas de proteção.

Como Chambers tinha apenas 24 anos de idade, procurou um padrinho de peso para suas regras. Esse acabou sendo um colega de escola, jovem como ele mas de uma importante família aristocrata: o Marquês de Queensberry, que ficou imortalizado emprestando seu nome às tais regras.

Inicialmente, os profissionais ridicularizaram as Regras de Queensberry. Contudo, a perseguição inclemente, tanto da polícia inglesa como americana, aos praticantes do boxe sem luvas fêz com que os profissionais também passassem a lutar sob as regras do marquês.

O boxe americano e os cinturões da Police Gazette

A partir de cerca de 1850, a maioria dos boxeadores profissionais ingleses estava atuando nos USA, onde muito contribuiram para elevar o nível técnico do boxe e mostraram à enorme massa de miseráveis emigrantes, que estava chegando a esse país, uma possibilidade de fazer dinheiro rápido. Isso tudo acabou fazendo com que, por essa época, o centro mundial do boxe mudasse da Inglaterra para os USA.

Naqueles tempos, a indicação do campeão americano era feita por uma revista: a Police Gazette. Dada a crescente importância do boxe americano, logo o campeão proclamado pela revista passou a ser considerado como campeão mundial.

Isso era uma situação bem precária pois o árbitro de tudo era Richard K. Fox, o dono da Police Gazette. Por exemplo: como Fox não gostava de John L. Sullivan, o campeão "moral" na década dos 1880's, resolveu indicar Jake Kilrain como campeão dos pesados e o presenteou com um cinturão. Os fãs de Sullivan responderam doando-lhe um outro cinturão, ricamente ornado com a inscrição "nosso campeão dos campeões". Estava criada uma grande polêmica que só foi resolvida com o combate Sullivan x Kilrain, travada em 1889 e com a vitória de Sullivan depois de 75 rounds da última luta importante sob as Regras de Londres.

As primeiras associações americanas

Após a Primeira Guerra Mundial, quando o boxe já ia se consolidando como um grande espetáculo de massas, os próprios norte-americanos sentiram que era necessário se ter uma associação juridicamente estabelecida para reger este esporte. Não era mais possível se continuar a seguir os ditames da Police Gazette. Como consequência disso, em 1920 surgiram as duas primeiras entidades criadas especificamente para reger o boxe americano:
  • a NYSAC: New York State Athletic Comission
    que, conforme diz o próprio nome, era um orgão do governo do estado de New York.
  • a NBA: National Boxing Association
    uma associação privada e que iniciou tendo pouco mais de uma dezena de estados americanos filiados, estados esses que procuravam quebrar o monopólio que New York vinha tendo sobre o boxe.
Essa associações, embora com jurisdição restrita aos USA, muito fizeram para que o boxe eliminasse todos os resíduos que ainda trazia de seus tempos de clandestinidade e logo seus campeões passaram a ser reconhecidos como campeões mundiais. Incidentalmente, raras vezes essas duas associações discordaram quanto aos campeões.

Os demais países também passaram a organizar seu boxe

Ainda na década dos vinte, vários outros países fundaram associações para reger o boxe. Isso foi o caso do Brasil, onde as primeiras associações tiveram nível municipal, como foi o caso da Comissão de Boxe do Rio de Janeiro ( 1925 ); posteriormente, surgiram as associações estaduais, como a Federação Carioca de Boxe ( 1933 ), Federação Paulista de Pugilismo Amador ( 1936 ), Federação Gaúcha de Pugilismo ( 1944 ), etc; aqui no Brasil, a tentativa de organização a nível nacional ocorreu só em 1935 com a fundação da Federação Brasileira de Pugilismo que nasceu congregando apenas as federações cariocas, paulistas e mineiras. ( Em 1941, a Federação Brasileira de Pugilismo passou a ser chamada de Confederação Brasileira de Pugilismo e se transformou, já em 1998, na atual Confederação Brasileira de Boxe, que é a organização coordenando todo o boxe profissional e amador no Brasil. )

Mas, voltemos ao panorama mundial. Em 1928, foi feito um congresso em Roma onde se procurou criar uma instituição congregando todas as associações nacionais de boxe. Nasceu disso a IBU, ou International Boxing Union, que infelizmente não conseguiu levar a cabo sua missão e acabou abdicando do direito de proclamar campeões mundiais. Com isso, o boxe continuou sem ter organismos internacionais juridicamente estabelecidos.

Surgimento das associações com jurisdição internacional

Na década dos anos sessenta, tanto a NBA como a NYSAC iniciaram a perder poder e com isso, finalmente, amadureceu o consenso da necessidade de associações com jurisdição internacional para reger o boxe mundial. Assim, em 1962, a NBA transformou-se na atual World Boxing Association ( WBA ou Associação Mundial de Boxe ), agora com jurisdição internacional, e no ano seguinte, em 1963, surgiu o World Boxing Council ( WBC ou Conselho Mundial de Boxe ).

Inicialmente, a WBA estava sob controle dos americanos, mas logo ficou dominada pelos interesses das federações latino-americanas. Hoje ela congrega muitas associações nacionais e até mesmo continentais, as principais sendo: Latin American Boxing Federation (FEDELATIN), a Pan Asian Boxing Association (PABA), a Central America Boxing Federation (FEDECENTRO), a North America Boxing Association (NABA), e a Pan African Boxing Association (PFBA).

A situação das associações profissionais nos últimos anos

Na década dos anos oitenta muitos países orientais, europeus e latinos sentiram-se prejudicados em seus interesses e disso surgiram várias associações dando títulos de campeão mundial: a IBF em 1983, a WBO em 1988 e mais de uma dezena de outras associações ainda menos representativas. Obviamente, isso provocou uma proliferação de campeões. Contudo, as duas primeiras associações internacionais, a WBA e o WBC, continuam sendo as mais respeitadas e normalmente tem concordado na indicação dos campeões mundiais ( costuma-se dizer que um boxeador reconhecido como campeão tanto pela WBA como pela WBC é um undisputed champion ).

RESUMINDO:

Atualmente, existem quatro principais associações regendo o boxe profissional mundial: WBA, WBC, IBF e WBO e mais de vinte associações de pequena a quase nula expressão.

WBA = World Boxing Association = AMB = Associação Mundial de Boxe
WBC = World Boxing Council = CMB = Conselho Mundial de Boxe
IBF = International Boxing Federation = FIB = Federação Internacional de Boxe
WBO = World Boxing Organization = OMB = Organização Mundial de Boxe

É comum elas não proclamarem os mesmos campeões e divergirem quanto aos direitos profissionais dos boxeadores a elas filiados.
Ao longo de sua história, o boxe foi regido por três conjuntos de regras: as Regras de Broughton, as Regras de Londres e as Regras de Queensberry.

Atualmente, todas as associações de boxe profissional adotam versões modernizadas das Regras de Queensberry. Contudo, podem existir diferenças de detalhes entre as regras de uma associação para outra, tais como critérios de terminação das lutas.

A divisão dos boxeadores em categorias de peso foi introduzida ainda na era das Regras de Londres. Com as Regras de Queensberry, a quantidade dessas categorias tem crescido continuamente. Mesmo atualmente, a quantidade de categorias, bem como as respectivas faixas de kg, podem variar de uma associação para outra.

Boxe legal versus boxe ilegal

Complementando a discussão acima, é importante enfatizar que um importante papel das modernas associações de boxe profissional é o licenciamento dos boxeadores. As associações somente permitem lutar profissionais licenciados, e as mais conceituadas só dão e mantém a licença para pugilistas que passam por exames médicos periódicos, tais como tomografia cerebral, bem como tem ficha policial impecável.
Contudo, em alguns países, vivendo à margem do controle das associações temos o boxe não-licenciado e o boxe ilegal.

O boxe não-licenciado
é praticado por pugilistas que perderam a licença ( por aposentadoria, por impedimento médico, por falta grave, etc ), por brigões de rua e por ciganos ( ingleses, galeses e irlandeses; vindos da Rússia, chegaram na Inglaterra em cerca de 1500 e lá aprenderam o boxe inglês sem luvas que ainda praticam em desavenças entre famílias e em lutas por prêmio nas feiras que organizam ou participam anualmente, como a de Cambridge e a Feira da Primavera em Scarborough ).

Em alguns países essas lutas são consideradas legais, ou ao menos toleradas pela polícia, desde que tenham supervisores identificados, sejam realizadas em ringue e os boxeadores usem luvas. Se recomenda que os boxeadores sigam as Regras de Queensberry, mas é comum os organizadores "se esquecerem" das luvas e os lutadores "se esquecerem" das regras no calor do combate. Apesar disso, muitas dessas lutas são realizadas em locais públicos respeitados, como o York Hall de Londres. Recentemente, durante o Derby Day, foi realizada em Epson Downs uma luta sem luvas entre ciganos que atraiu imensa multidão e isso que, durante a mesma, a rainha estava visitando as corridas no local.

O boxe ilegal
é praticado por boxeadores que perderam a licença e brigões de rua. É uma atividade claramente clandestina e mafiosa, as lutas são divulgadas apenas por "propaganda de boca" e o local das mesmas é anunciado por telefonemas furtivos, algumas horas antes. Tipicamente se exige que os espectadores façam uma aposta mínima, algo em torno de 100 libras ou 200 dólares. Os principais centros dessa modalidade são Londres e Nova Iorque. Nunca se usa luvas e as lutas são de dois tipos:
  • straightener
    que é praticamente uma briga de rua onde são permitidos apenas socos
  • all-in
    onde vale qualquer coisa, mesmo morder, dar joelhadas, enfiar dedos nos olhos e assim por diante


links para sites de associações do boxe profissional

  • WBA World Boxing Association = AMB = Associação Mundial de Boxe. Fundada em 1962 e sediada na Venezuela.
     World Boxing Association
     E-mail:  wbaven@telcel.net.ve
     Address: Centro Comercial Ciudad Turmero Calle Petion
     Local 21 - A,
     Turmero Aragua Venezuela 2115
     Telefone: 58 44 633347 - 633420, Fax: 58 44 633177
     
  • WBC  World Boxing Council = CMB = Conselho Mundial de Boxe. Fundada em 1963 e sediada no Mexico.
     teléfonos: (525)533-65-46 y 533-65-47; fax: (525) 208-77-63;
     correo electrónico: wbc2@mexis.com
      
  • IBF  International Boxing Federation = FIB = Federação Internacional de Boxe. Fundada em 1983 e sediada nos USA.
     International Boxing Federation (IBF)
     United States Boxing Association (USBA)
     info@ibf-usba-boxing.com
     134 Evergreen Place 9th Floor East Orange, NJ 07018
     Phone: 973/414-0300 Fax: 973/414-0307
     
  • WBO World Boxing Organization = OMB = Organização Mundial de Boxe. Fundada em 1988 e sediada em Puerto Rico.
     World Boxing Organization  (WBO)
     info@wbo-int.com [29]   or  surgeon@wbo-int.com [30]
     Address:  First Federal Bldg. 1056 Muñoz Rivera Ave.
     Suite 711-714, San Juan, P.R. 00927
     Phone: (787) 765-4444 Fax. (787) 758-9053
    
     World Boxing Organization - Latino
     Maza 557, Oficina 17, (1220) Buenos Aires, Argentina
    
Para links às associações de menor importância, vá à nossa página: sites.


Atualizada em 26-02-2002
© 2002, 2001, pela Fed. Rio-Grandense de Pugilismo.
Permitida a reprodução, desde que com fins não comerciais e seja citada a autoria.
Art. 299 do Código Penal Brasileiro ( Crime de Falsidade Ideológica ):
Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar ou
nele fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser descrita
.