Os 60 anos de Muhammad ALI
 
 


 
Muhammad ALI, nasceu em 17 de janeiro de 1942, no sul dos USA, sendo batizado como Cassius Marcellus Clay, em homenagem a um dos primeiros ativistas negros americanos. Seu pai era um pintor de cartazes e não foi muito receptivo ao fato do filho iniciar a treinar boxe aos 12 anos de idade.

 
Aos 18 anos de idade, em 1960, obteve seus primeiros grandes triunfos. Lutando como amador e na categoria dos meio pesados, ganhou sucessivamente a medalha de ouro no campeonato da Amateur Athletic Union, no Luvas de Ouro e nos Jogos Olímpicos realizados em Roma.

A foto ao lado é a do instante de sua premiação nas olimpíadas.

 
Depois das Olimpíadas passou para o boxe profissional e, após vários combates exitosos na categoria dos pesos pesados, chegou à condição de desafiar o temido "Sonny" Liston, o campeão mundial pelo WBC. Numa das maiorres lutas de todos os tempos, travada em 25 de fevereiro de 1964, Cassius Clay nocauteou "Sonny" Liston no sétimo round. A foto ao lado registrou a incontida euforia de Clay imediatamente após o árbitro ter encerrado aquela histórica luta.

Em 1967, passou a ser o undisputed champion ao derrotar Ernie Terrel que detinha o título de campeão mundial pela WBA.

 
O ano de 1967 foi muito importante na vida de ALI. Além de chegar ao topo de sua carreira pugilística, converteu-se ao islamismo, renegou seu nome de batismo que dizia ser um nome de escravo, adotou o nome Muhammad ALI e, aproveitando o espaço que os meios de comunicação lhe dava, iniciou sua vida de lutas pelos direitos humanos e civis.
Como consequência, negou-se a atender a convocação do exército americano para lutar no Vietnam. Foi processado pelo exército, destituído de seus títulos de campeão mundial de boxe e condenado a cinco anos de prisão. Apelou dessa condenação e, em 1971, conseguiu seu anulamento pela Suprema Corte Americana.

 
Voltou a lutar em 1970, enfrentando alguns lutadores rankeados e então desafiou o novo campeão, Joe Frazier, quando sofreu sua primeira derrota.

Depois dessa derrota, iniciou um período difícil em sua carreira, tendo de enfrentar vários lutadores importantes. Depois de três anos fêz outra luta decisiva, novamente contra Joe Frazier, o qual já não era mais o campeão. Desta vez foi vitorioso e a vitória sobre Frazier colocou ALI na posição de desafiante do novo campeão, o invicto George Foreman.

A luta contra Foreman, realizada em 1974 e no Zaire, é considerada uma das maiores lutas de todos os tempos. Foi ganha por ALI via nocaute. ALI tinha 32 anos e tornava-se o segundo boxeador na História a recuperar um título mundial.

 
Novamente na condição de campeão do mundo, ALI não parou um segundo. Enfrentou vários desafiantes de valor, entre eles Joe Frazier. A terceira luta de ALI contra Frazier foi provavelmente a maior e mais difícil luta de sua carreira, com Frazier admitindo a derrota só depois de 14 rounds muito duros.

Em 1978, aos 36 anos de idade, ALI sofreu nova e surpreendente derrota, perdendo o título para Leon Spinks. Sete meses depois, conseguiu a revanche e derrotou Spinks por pontos, tornando-se o primeiro peso pesado a reaver o título pela terceira vez.

A partir de então, passou a dedicar-se mais ao ativismo político e civil. Pressionado por problemas financeiros, voltou a lutar em 1981, quando perdeu por pontos para Trevor Berbick. Às vésperas de fazer 40 anos, anunciou sua aposentadoria no boxe.

 
Muhammad ALI hoje é um dos mais queridos e homenageados desportistas, tanto por seus feitos como boxeador como por suas campanhas em favor dos direitos humanos e civis.

Como boxeador nunca poderá ser esquecido, já que soube derrotar os maiores pegadores de todos os tempos ( Foreman, Liston e Shavers ), alguns dos mais incansáveis bruisers ( Frazier, Quarry, Chuvalo ) e vários mestres do boxe ( Patterson, Folley ). Ele soube vencer tanto pela habilidade de não ser atingido ( como fêz contra Liston ) como pela capacidade de não ser ferido ( como fêz contra George Foreman ).

Na verdade, provavelmente, ele seria capaz de achar um modo de vencer a qualquer boxeador que lhe aparecesse na frente.




© 2002, pela Fed. Rio-Grandense de Pugilismo
Art. 299 do Código Penal Brasileiro ( Crime de Falsidade Ideológica ):
Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar ou
nele fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser descrita
.