Lutas de boxe entre mulheres.

Como nosso visitante deve ter lido em outras matérias deste site, o primeiro boxeador cujo nome e biografia estão registrados na História do Boxe Inglês foi James Figg. Cerca de 1720, ele foi reconhecido como o primeiro campeão de boxe. Também teve atuação importante como dono do Amphytheatre, que funcionava como academia de boxe e defesa pessoal em Londres, bem como uma arena para realização de lutas.

Entre as lutas realizadas no Amphytheatre de Figg algumas foram entre mulheres, bem como várias "quadrilhas": lutas de casais. Essas lutas tinham duas etapas: primeiro lutavam as mulheres e depois combatiam os maridos.

Embora a polícia logo tenha proibido essas lutas, elas continuaram na clandestinidade. Na Londres de 1723, depois de algumas lutas, uma tal Elizabeth Wilkinson se proclamou City Championess.

Tudo indica que, depois disso, o boxe entre mulheres ocorria mais por causa de desavenças, e o prêmio em dinheiro ganho pela vencedora servia mais como uma indenização. Isso foi o caso de uma luta feita 1792 e descrita pelo historiador do boxe Oxberry em seu livro Pancratia, escrito em 1812. As boxeadoras eram casadas e traziam como segundos os próprios maridos:
"Depois de terem a parte superior do corpo despida e seus cabelos fortemente amarrados, elas iniciaram a troca de golpes e por 45 minutos suportaram um muito desesperado conflito; quando, uma delas estando já tão ferida que despertava apreensão por sua vida, seu marido e segundo ainda mostrava brutalidade suficiente para encitá-la ao combate; contudo, por iniciativa dos espectadores, elas foram separadas"

Nos tempos modernos, a partir de cerca de 1995, o boxe feminino profissional teve um renascimento rápido fruto, principalmente, das atuações e exposição na midia das boxeadoras Christy Martin e Mia St. John. Em 1994, a AIBA aprovou o boxe feminino olímpico.

Referências:

- W. Oxberry: Pancratia, or a History of Pugilism.
   snt, London, 1812.
- Bob Mee: Bare Fists.
   NY: Overlock Press, 2001.


Texto: © 2010, pela Fed. Rio-Grandense de Pugilismo.
Permitida a reprodução, desde que com fins não comerciais e seja citada a autoria.
Art. 299 do Código Penal Brasileiro ( Crime de Falsidade Ideológica ):
Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar ou
nele fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser descrita
.