A luta Dempsey x Firpo
13 de setembro de 1923
 
 


 
A importância histórica da luta e dos lutadores.

A luta ocorreu em 14 de setembro de 1923 e, passados exatos oitenta anos, os aficionados do boxe ainda não se cansaram de discutí-la. Num lado do ringue estava o campeão mundial dos pesados, o estadounidense Jack Dempsey, e no outro estava o gigantesco "Touro Selvagem dos Pampas", o argentino Luis Angel Firpo. Em volta do ringue, um público de 82 000 pessoas, um maracanã cheio!

Jack Dempsey, "o Matador de Manassa", foi um dos maiores agressivos boxeadores de todos os tempos. Em sua época, ele era considerado invencível e indestrutível, um verdadeiro super-homem. Ele sempre está em todas as listas de "os 10 melhores pesos pesados de todos os tempos". Nos USA ainda é considerado um ídolo. Mike Tyson, no início da carreira, imitava Dempsey na maneira de vestir, de cortar o cabelo e na maneira de lutar. Dempsey foi campeão mundial dos pesados de 1919 a 1926.

Luis Angel Firpo, o "Touro Selvagem dos Pampas", era um argentino com cerca de dois metros de altura. Tinha ido lutar nos USA, onde já tinha feito 13 lutas, todas ganhas por KO, quando enfrentou Dempsey. Por muitos, é considerado o boxeador mais importante que a Argentina teve até hoje.

A grande discussão que ainda hoje continua sobre o resultado dessa luta refere-se à duração da contagem em uma queda de Dempsey e que poderia ter lhe ocasionado a perda do título. Contudo, queremos aqui apontar que realmente a vitória deveria ter sido dada a Firpo, mas por outras razões.

 
Momentos iniciais da luta.

Desde os primeiros momentos, houve violenta troca de golpes por parte de ambos os boxeadores. O argentino tinha uma guarda muito aberta e isso lhe provocou uma sucessão de quatro quedas, em pouco mais de um minuto.

Na época, em caso de queda de um dos lutadores, o outro não era obrigado ir para o corner neutro para, só então, o árbitro iniciar a contagem. A única coisa que se exigia é que o boxeador que tinha caído só podia ser golpeado novamente quando estivesse inteiramente em pé.

Uma das características de Dempsey era explorar ao máximo esse detalhe: ele sempre ficava em cima do adversário caído e imediatamente depois desse ter conseguido ficar de pé golpeava imediatamente. Exatamente por isso, ocorrida a primeira queda de Firpo, sucederam-se três outras. Não fosse a fenomenal resistência do argentino, qualquer uma delas teria sido definitiva.



 
Primeira irregularidade de Dempsey.

Talvez mais como consequência do calor do combate do que por desonestidade, Dempsey costumava golpear quando o adversário ainda estava se levantando, quando ainda não tinha conseguido ficar totalmente em pé. Isso foi o que ocorreu na quarta queda de Firpo: o argentino estava no início do processo de se levantar, ainda com as mãos no chão, quando Dempsey o golpeou várias vezes, derrubando-o novamente.

Pelas regras, Dempsey deveria ter sido desclassificado. Contudo, não só o árbitro não tomou providências como essa parte da luta foi cortada do único filme que fizeram da luta. Hoje, só podemos contar esse episódio por causa de testemunhos de pessoas que viram a luta.



 
Segunda irregularidade da luta.

Esse foi o momento mais dramático da luta e, ao contrário do anterior, conhecido por todos e registrado no filme da luta. O mesmo ocorreu ainda no primeiro round. Depois de já ter sofrido cinco knockdowns, Firpo ainda teve energia para acertar fortíssima direita na cabeça de Dempsey que voou para fora do ringue (confira na foto).

Dempsey teve a sorte de não cair no chão mas sim sobre a mesa de um dos jurados da luta, um tal de Kid Mac Farland. Esse e os jornalistas e fotógrafos que estavam em torno do ringue, irregularmente, "apararam" a queda de Dempsey e o ajudaram a se levantar. Devido a essas ajudas, Dempsey conseguiu voltar ao ringue quando o árbitro tinha chegado na contagem de 9 (os jornais americanos da data diziam que na contagem de 7).

Obviamente, essas ajudas eram irregulares e motivo para desclassificação de Dempsey. Contudo, os segundos de Firpo não tiveram a presença de espírito para reclamar na hora e depois da luta não adiantava. Um membro da comissão atlética de New York, Mr. William Muldoon, afirmou enfaticamente que a ajuda dada a Dempsey era desclassificatória.



 
O desfecho da luta.

Em Buenos Aires, uma multidão de argentinos acompanhou a luta pelo rádio (a Radio Cultura que "transmitia" a luta a partir das mensagens de telégrafo que chegavam continuamente) e outros por um feixe de luz colorida que era produzido por enormes projetores colocados no topo do maior edifício da cidade. Quando a luz ficava verde era porque Firpo atacava e quando ficava vermelha era porque a vantagem era de Dempsey.

Dempsey teve a sorte de terminar o primeiro round logo depois de sua queda fora do ringue. Estava sangrando e um pouco grogue. No segundo round, derrubou Firpo pela sexta e sétima vez, sendo que nessa última o argentino não conseguiu se levantar. Com tristeza, os argentinos dos barrios de Buenos Aires viram o feixe de luz trocar a cor de verde para vermelho e não mais mudar...



 
referências e agradecimentos

Como não podia deixar de ser, todos os livros de história do boxe moderno trazem uma descrição e fotos desta luta. A maioria deles traz a versão americana da luta. Nesta matéria podemos contar detalhes inéditos da versão argentina do combate, para isso, contamos com preciosas revelações do jornalista argentino Marcos Vistalli, bem como do jornalista inglês George Underwood (do The Evening Telegram).





© 2003, pela Fed. Rio-Grandense de Pugilismo
Art. 299 do Código Penal Brasileiro ( Crime de Falsidade Ideológica ):
Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar ou
nele fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser descrita
.