Grandes eventos do boxe olímpico

< Tr>

Campeonato Mundial de Boxe Feminino



CARACTERISTICAS

O Mundial de Boxe Feminino é organizado pela AIBA e ocorre de dois em dois anos. O primeiro mundial ocorreu no ano 2000, na Hungria.

O CAMPEONATO MUNDIAL DE BOXE FEMININO 2002

No ano de 2002, ocorreu o II Mundial de Boxe Feminino, o qual foi realizado em Antalya/Turquia, entre 21 e 27 de outubro. Tivemos 35 países participando, com um total de 184 boxeadoras.

Seguem-se as equipes que pontuaram (3 pontos para cada ouro, 2 para prata e 1 para bronze):
 1.  Coréia do N.  11 pontos  2-2-1
 2.  Ucrânia       10         2-1-2
 3.  Rússia         8         1-1-3
 4.  India          6         1-0-3
 5.  USA            6         0-2-2
 6.  Canadá         5         1-0-2
 6.  Bielo Rússia   5         1-1-0
 6.  Itália         5         1-1-0
 6   Hungria        5         1-0-2 
 10. China          4         1-0-1
Seguiram-se: 11-Grécia, 12-empataram: França (que fêz a ouro que falta na tabela acima), Dinamarca e Turquia, e em 16º lugar, e com um ponto, ficaram o Brasil (a medalha de bronze de Ana Santos), Argentina, Austrália e Romênia. Os demais países não conseguiram medalhas.

Note o quarto lugar obtido pela India e que ela quase empatou com a Rússia. Conforme temos noticiado aqui, fruto de uma enorme reorganização e apoio, a India deverá rapidamente se tornar uma potência mundial no boxe olímpico. Também deveremos ficar observando a evolução do boxe na China.

Abaixo segue a distribuição de medalhas por categoria de peso:
              ouro    prata   bronze
   45 kg      IND      PRK   TUR, UKR
   48 kg      PRK      UKR   HUN, IND
   51 kg      ITA      PRK   GRE, RUS
   54 kg      CHI      ITA   PRK, HUN
   57 kg      PRK      NOR   GRE, RUS
   60 kg      CAN      GRE   USA, BRA
   63.5 kg    FRA      TUR   UKR, ROM
   67 kg      RUS      USA   DEN, AUS
   71 kg      UKR      USA   CAN, ARG
   75 kg      BLR      DEN   IND, CHI
   81 kg      UKR      BLR   CAN, RUS
   +81 kg     HUN      RUS   USA, IND
Nota: PRK=Coréia do Norte.

O BOXE BRASILEIRO NO MUNDIAL FEMININO

O Brasil não participou do primeiro mundial e foi ao segundo com intenções de ganhar experiência em competições internacionais. Para a grata surpresa de todos, as brasileiras retornaram com uma medalha de bronze e vitórias importantes.

A equipe brasileira que foi ao II Mundial foi:
boxeadoras:
Ana Paula Lúcio Santos (60 kg), Maria Luciana de Oliveira (71 kg) e Cristiane Nascimento (+81 Kg).
treinador: Gabriel Chalot.

Superando todas as expectativas e dificuldades, a 60 Kg brasileira, Ana Paula Santos fêz uma excepcional campanha. Depois de iniciar o campeonato vencendo a representante italiana por RSC-1, em sua segunda luta fêz a façanha de derrotar por 14x10 a sueca Frida Walberg, que tinha sido a campeã mundial em 2001 e na categoria dos 63.5Kg. Em sua terceira luta, já na semi-final, Ana Paula enfrentou e perdeu por 17x15 para a representante do Canadá, Jennifer Smith.

Jenn Smith é uma policial da pequena cidade de London em Ontário/Canadá e obteve a medalha de ouro neste campeonato após derrotar a representante da China por RSCO-2, a da Finlândia, também por RSCO-2, vencer por 21x19 a representante da Rússia, que era uma das favoritas deste campeonato, e na final derrotar por 15 a 13 a representante da Grécia, Areti Mastrodovka.

Também precisamos dar um crédito para Maria Luciane Oliveira (71Kg) que foi eliminada em sua primeira luta, mas perdeu para a experimentada Yvonne Reis, Flórida/USA, a qual acabou ficando com a medalha de prata ao derrotar a argentina Paola Caslinuovo nas semi-finais e perder para a representante da Ucrânia na final.

A representante brasileira na categoria das pesadas, Cristiane Nascimento, foi eliminada em sua primeira luta ao perder por 22x16 para a representante da India, a qual acabou ficando com a bronze.





© 2002, pela Fed. Rio-Grandense de Pugilismo.
Permitida a reprodução, desde que com fins não comerciais e seja citada a autoria.
Art. 299 do Código Penal Brasileiro ( Crime de Falsidade Ideológica ):
Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar ou
nele fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser descrita
.