Estrelas do boxe olímpico

< Tr>

Mário KINDELÁN




Principais títulos:

Medalha de ouro dos Jogos Olímpicos de Sydney 2000 e do Mundial Seniores 2001 em Belfast, na categoria dos 60 kg.
Medalha de ouro dos Panamericanos de Winnipeg, dos Jogos da Amizade, dos Jogos Centro-Americanos, da Copa Cardin ( quatro anos consecutivos ), da Copa Turquia ( duas vezes ), etc.

Lutas realizadas:

Tem mais de 300 lutas realizadas, das quais ganhou mais de 290. Até esta data, tem um aproveitamento de cerca de 94%.

Alguns detalhes biográficos:

Iniciou a lutar em 1987, na categoria dos pesos mosca, ano em que se tornou medalha de ouro nos Jogos Nacionais Escolares de Cuba. Os próximos títulos foram a ouro na Copa Tele Rebelde, na Copa Cubana de Juniores e nos Jogos da Amizade, em Belgrado.

Na preparação para o Campeonato Mundial de 89, em Puerto Rico, em luta treino com o norte-americano Javier Cintrong, fraturou o braço. Ficou impedido de participar daquele campeonato e foi aconselhado pela equipe médica a abandonar definitivamente o boxe. Ficou seis meses com o braço engessado e na tipóia, os quais foram seguidos de ano e meio fazendo fisioterapia.

Apesar de todo o sofrimento físico e psicológico, com o apoio de sua mãe e de seu treinador, R. Díaz, voltou a teinar e reapareceu competindo no Torneio Playa Girón, em 1991. Ganhou a medalha de bronze, já na categoria dos 60 kg, e a chance de ir para a pre-seleção cubana. A partir daí voltou a ter carreira de destaque.

Em xxx, no torneio xxxx, o exame anti-doping acusou presença de furosemida em seu sangue. Kindelán protestou enérgicamente mas acabou se decepcionando com o boxe e ficou parado por três anos. Durante este período passou a trabalhar em Gastronomia e decidiu abandonar definitivamente o pugilismo. Segundo suas declarações: "passei a odiar tanto o boxe que nem na TV queria vê-lo".

Apesar desse desencanto, seus amigos Alfonso Tamayo e Alexander Roja o convenceram a voltar a treinar. Quanto a isso, recebeu o apoio de Julián González Cedeño, na época o treinador da seleção cubana. Assim, voltou a lutar em 98, na Copa Cardin, mas foi eliminado na segunda luta. Novamente, pensou em abandonar o boxe. Contudo, na mesma semana da derrota, foi convocado para pre-seleção cubana e isso lhe deu alento para continuar.

Chegando no campo de treinamento, dedicou-se totalmente ao boxe e treinou fortemente até maio. Quando chegou a Copa Cardin de Villa Clara, obteve a medalha de ouro e o mesmo ocorreu nos Jogos da Amizade e no Campeonato Mundial daquele ano de 1998.

Em 1999 foi eleito melhor boxeador cubano. No Campeonato Mundial de Seniores de 2001, em Belfast, além de ganhar a medalha de ouro na categoria dos 60 kg, recebeu o troféu Russell, como melhor boxeador da competição. Kindelán considera esse seu maior triunfo, uma vez que - em Cuba - somente ele e Roberto Balado obtiveram esse prêmio, e Balado sempre foi seu grande ídolo.

REFERÊNCIAS:
Dados e material de entrevista de Kindelán com a jornalista cubana Juanita Perdomo Larezada, do jornal Juventud Rebelde, publicada em 09/09/2001.




© 2002, pela Fed. Rio-Grandense de Pugilismo.
Permitida a reprodução, desde que com fins não comerciais e seja citada a autoria.
Art. 299 do Código Penal Brasileiro ( Crime de Falsidade Ideológica ):
Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar ou
nele fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser descrita
.